Antes mesmo de conhecer o Frank Ocean eu já gostava dele.

Desculpa aí quem não gosta de Black Music e todas as linhas musicais que seguem junto ao estilo. Sempre gostei desse tipo de música e quando ouvi o Watch The Throne, cd feito pelo Jay-Z e Kanye West com uma capa que é o resumo da prepotência e exibicionismo, me apaixonei muito por três: No Church in the Wild, That’s My Bitch e  Made In America. No final, gostei do cd inteiro. ME JULGUEM.

Das três, duas têm a voz do Frank. Na real, eu nem sabia direito quem ele era até essa semana quando ele assumiu a homossexualidade e “saiu do armário”. Quem se interessa um pouquinho sobre o mercado de música negra norte americano sabe que é bem difícil ter  músicos que assumem a sua homossexualidade (na real, eu não sei de nenhum assumido, mas talvez eu seja uma desinformada). Mas o mais legal não foi ele ter se assumido, foi a forma como ele se assumiu colocando uma carta linda no site dele.

Uma das respostas veio da própria Beyoncé que colocou no site dela uma foto dele com as palavras: “Seja corajoso; Seja honesto; Seja generoso; Seja Bravo; Seja poético; Seja aberto; Seja livre; Seja você mesmo; Seja apaixonado; Seja feliz; Seja inspiração”. Achei tão lindo que agora estou usando como inspiração pra esse começo de segunda!

Beijo Grande!

 

 

 

Anúncios